Na fila sem Madonna

Capítulo 8

A noite se foi sem maiores emoções. Tentamos ficar acordados, controlando o frio, que beirava a casa dos 10 ºC, e o sono, que já estava bastante complicado. Peguei uma manta que havia levado na mala, sentei na mureta do Credicard Hall, e fiquei contando os minutos passarem. O vento gelado batia nas bochechas do rosto e provocava calafrios em todo o corpo. Foram mais de 2 horas de muita concentração. Tivemos, nesse tempo, apenas mais uma única “visita”.

Dois homens sentados em uma carroça, sendo controlados por um cavalo, passaram pelo acampamento animadíssimos e nos chamaram de “ciganos”, dando altas gargalhadas. Talvez fosse pelo fato do santista ter enrolado sua coberta xadrez de cor laranja em suas pernas e, realmente, estar parecendo um cigano.

Quando o céu começava a dar sinais de que mais um dia iria começar, falei com os meninos que deitaria um pouco na barraca. Coloquei a cabeça em minha mala e em pouco tempo adormeci. Fiquei imóvel durante cerca de 40 minutos, controlando a dor nas costas com o desconforto da calçada. Ao ouvir um caminhão passar na rua a todo vapor, acordei assustado.

Do lado de fora da barraca, ouvi uma conversa em tom de discussão. O santista conversava em uma altura nada amigável com um cara de uns 40 e poucos anos. Mesmo sonolento, ao olhar para ele, já percebi que tinha um jeito de cambista. Eu estava com muito sono, ouvi palavras jogadas na conversa do tipo “cadeia”, “ameaça”, “toma cuidado”. Embora sentisse que o teor da conversa era bastante sério, em tom realmente de ameaça, não dei muita trela O sono falava mais alto. Só horas depois eu saberia que a discussão havia sido bastante feia com o cara, que realmente era cambista e que queria burlar as regras impostas pelo grupo do acampamento, ameaçando as pessoas que já estavam nele.

Mas no momento da briga, eu estava mesmo hipnotizado pelo sol, que aos poucos aparecia no meio do horizonte. Eu nunca havia ficado tão excitado como naquele momento, por conta da simples sensação dos primeiros raios de sol tocando meu rosto. “Eu tenho bochechas novamente”, era tudo o que eu conseguia pensar.

Pouco antes das 8 horas da manhã, quando todos já estavam bem dispostos com o calor do sol e com a ansiedade de voltar novamente para dentro do Credicard Hall, decidi dar um pulo em casa. Fazia dois dias que eu estava sem tomar banho e os primeiros sinais de sujeira (cabelo praticamente black-power e meias com um desagradável chulézinho, eca!) já apareciam.

Ficou acordado que os meninos cuidariam de minha barraca até que o Driko chegasse novamente ao acampamento, como já havíamos combinado. Eu iria para casa, tomaria um banho rápido, comeria alguma coisa saudável e correria de volta para o acampamento, que nesse momento, já deveria estar se formando dentro do Credicard Hall. E lá fui eu para o ponto de ônibus, com a felicidade de quem sentiria as gostas de água quente percorrendo pelo corpo e depois sentaria com mamãe na mesa farta do almoço.

4 Respostas to “Na fila sem Madonna”

  1. Marcelo Ramos Says:

    Paulety, eu estou me perdendo um pouco na história… estamos ainda na primeira noite do credicard, ok?

  2. Cada vez mais a DOM está me decepcionando… Nem o contato que é “disponível” no site da revista funciona.
    Ou será que eu fui bloqueado de todos os lugares? Hahahahahaha

    Já que é impossível falar com algum responsável, a partir de agora, vou deixar aqui o que eu teria escrito no contato do site até que me respondam.
    E quando eu digo que é até que me respondam, eu quero dizer exatamente isso! Sou muito persistente, então cada vez que eu entrar aqui e ver que o comentário que deixei foi apagado, não tem problema. Eu mando de novo.
    Uma hora alguém vai cansar e vou ter uma resposta digna de uma empresa que deveria cuidar dos seus leitores, dos seus interesses e, principalmente, do que eles PENSAM!

    “Espero que quem leia esses comentários encaminhe para quem cuida do blog ou para um responsável.
    Quero deixar claro que estou inconformado com as atitudes tomadas no blog da DOM. Era para ser um veículo de extrema força e importância, devido ao pouco conteúdo de qualidade no mundo gay do qual dispomos.
    Só que essa ferramente perde sua força cada vez que entro lá e vejo o retrato que está sendo passado por um dos funcionários que está documentando sua “saga” para comprar o ingresso do show da Madonna.
    Por favor!
    Um post sobre isso bastaria.
    JÁ DEU!
    Meus comentários lá eram pura expressão, a minha documentação do que sentia ao ler um texto tão fraco. Agora eu até posso comentar, mas meus comentários serão apagados?
    Então não é um blog para todos. É um blog onde só realmente conta aqueles que lhes convém.
    É injustiça ou é só impressão minha e estou exagerando?
    De qualquer forma, espero obter uma resposta que me deixe menos angustiado diante de tanta hipocrisia.
    Acho que é um mínimo para um expectador.”

  3. Pedro Mathias Says:

    . caraca! já deu né?

    cadê as notícias do que está acontecendo na redação, alguma informação do que bem na próxima revista…

    esse blog tá meio inútil, né?

    ah, outra coisa.
    pq a revista nunca tem uma data meio certa pra chegar nas bancas?
    não que tenha que chegar todo mês no mesmo dia, mas no mesmo período é o mínimo, né?

  4. Filipe Freitas Says:

    Luciano e Mathias, o blog da DOM não é porta-voz da revista a MUITO TEMPO! Para isso existe o site.

    O blog, q eu saiba, foi feito para o uso do pessoal q trabalha na redação, pra escrever sobre variedades. Eu entro aqui para ler uma coisa, e entro no site da DOM para ler outra.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: